Portal Orixás

Matriz Africana

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Palavra Axe-Ase

E-mail PDF

A PALAVRA AXÉ (ASÈ)


Para o yorùbá, o verbo mais importante é realizar. Um homem vem a Ilu Aiye, o Planeta Terra, para realizar, para fazer algo, para deixar sua marca e sua lembrança. É assim que ele será recordado por sua descendência, através de suas realizações.
Nada é feito sem o apoio dos Òrìsà, porque é através da força que flui deles para nós que esta realização ocorre.
Ase significa isso: Awa - nós / se - realizar. Ase, nós realizamos, com a ajuda, a força e o poder de nossa crença nos Òrìsà e nos nossos Ancestrais.
Hoje esta nossa palavra de significado mágico se banalizou, virou música chula, de bom ritmo e de forte apelo sexual. Para muitos, Ase é dançar com pouca roupa, "colocando a mão aqui e passando a mão ali, sentando na garrafa e mexendo o que não deve".
E uma palavra sagrada, tão importante quanto Amem, Inshallah, Maktub, Aleluia, Salam, Shalon, Om Shanti, Assim Seja e tantas outras, em tantas línguas, está por aí desvirtuada, destituída de seu significado religioso, servindo de apelo comercial e chamariz sexual.
Conclamamos os Sacerdotes afro descendentes a sair em campo esclarecendo, defendendo, e se reapossando de nosso Ase!
Que volte a encerrar as nossas bênçãos, as nossas preces, que aquele que ouvir a palavra Ase sinta-se abençoado e pleno de graça. Que um homem de Ase seja um Sacerdote e não um símbolo sexual.


Que uma viagem de Ase seja uma visita à Terra Mãe África e não alguns dias de carnaval na Bahia. Que todo brasileiro, independente de sua opção religiosa, tenha muito Ase!


E, para encerrar, Ase .. Ase .. Ase ..
A despeito de milhares de explicações nossas, parece ser difícil, para determinadas pessoas de curto entendimento ou de vasta teimosia, aceitar essa singela explicação, baseada apenas na semântica do idioma yorubá, linguagem ancestral dos Orisa.

Uma língua viva, atual, falada hoje por pelo menos 50 milhões de pessoas em todo o mundo. Não só na Nigéria, em parte do Benin e do Togo, mas em muitos outros países africanos, na Ásia e na Europa. Também no Novo Mundo, nas Américas, por onde grande parte do povo yorubá se espalhou pelo viés da escravidão.
E o idioma yorubá, se bem que ligeiramente alterado, como é natural pela dinâmica da evolução, permanece sem mudanças palpáveis a nível do significado das palavras. O modo de se falar o yorubá é sempre o mesmo, várias palavras juntas formam um significado diferente. Tomemos, por exemplo, os nomes próprios. Obalade, nome comum em famílias de origem real, que significa - Oba:Rei; ni: ter, ser (que a frente de uma vogal transforma-se em l); ade: coroa.


Temos então uma palavra que ao mesmo tempo é uma frase: Obalade - O Rei tem coroa, O Rei é coroa (realeza).
Um pouco estranho para um ocidental, mas para nós, yorubá, perfeitamente lógico
e simples.Asé, palavra mágica, significa: Nós realizamos. Pode, pelo seu poder de ofo
(magia que sai da boca do ser humano preparado para dizê-la), ser usada para desejar boas coisas, como saúde, felicidade, dinheiro, amor, alegria, paz, vida, sabedoria. Mas o idioma yorubá dispõe de palavras próprias para todas esses dizeres, que são aláfia, owo, ifé, ayó, laja, aiye, imoye.


Se os sacerdotes mais velhos não conhecem essas palavras diferenciadas, e ensinaram a seus filhos que todos os bons desejos se resumem na palavra Asé, sugerimos que reflitam que isso pode gerar conflitos, como vêm gerando, com sacerdotes não só do Candomblé Ketu, que usa o yorubá como língua mãe, mas até com os de Candomblé Angola e Jeje, que originalmente não deveriam ter o yorubá como referência linguística.

Asé, palavra yorubá, significa: Nós realizamos, e não podemos mudar a semântica da palavra, alterar a semiótica do idioma yorubá apenas para agradar teimosos que insistem em discutir publicamente seu significado, usando o batido argumento que: “Em 1978, meu Pai me ensinou assim, então é assim e não vou admitir outro significado. O yorubá da África é errado, certo era o do meu Pai”.
Tradição de Orisa e Candomblé Ketu são religiões diferentes. Enquanto alguns Pais brasileiros lutam por manter a inércia religiosa, a Tradição de Orisa evolui. Asé!

Texto Adaptado por Lokeni Ifatolà

 

 
Banner

REVISTA PORTAL ORIXÁS

  • JoomlaWorks AJAX Header Rotator

FALE COM O PORTAL

INFORMAÇÕES

CONSULTAS ESPIRITUAIS

ADICIONE NO MSN
ifatola@ifatola.com

awoifalona@orixas.com.br

TEL 11 2364 7829